Arquivos da categoria: Pibic Orientação

Trabalhos científicos orientados para o Programa de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC) do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Clique nos títulos.

O uso do “jingle” no caso Tang: da infância à sustentabilidade

Bolsistas: Bárbara Morrone, Cleber Vaz

Orientador: Prof. Dr. Sérsi Bardari

Área do conhecimento: Comunicação Social, Publicidade e Propaganda

RESUMO

[INTRODUÇÃO] Em 2009, a marca Tang lançou uma peça publicitária  na qual várias crianças preparam e bebem o suco, cantando uma música que aborda o tema sustentabilidade. Rapidamente o público infantil decorou o refrão da propaganda. Notou-se a eficácia no emprego do recurso publicitário jingle. Visou-se então compreender como o jingle Preparou, Bebeu, Faz foi interpretado por seu público alvo e como as mensagens sobre a marca e sobre o tema da sustentabilidade eram percebidas. [METODOLOGIA] Foi utilizada a pesquisa de campo com o apoio da metodologia grupo focalizado em entrevistas de profundidade, cujo objetivo é discutir um assunto sob a orientação de um moderador. Foram formados três grupos com oito crianças, dos quais dois tiveram contato com só uma parte do videoclipe (ou som ou imagem) enquanto o terceiro grupo foi o único a assistir ao videoclipe completo. Em seguida foram feitas entrevistas e solicitado um desenho sobre o assunto debatido. Os materiais coletados foram analisados à luz dos conceitos da Análise de Discurso francesa e da Semiótica de linha peirceana. [RESULTADOS/DISCUSSÃO] Durante a pesquisa, o grupo de áudio apresentou descrições sobre reciclagem, um dos pontos fortes na letra da música. Nos desenhos do grupo, predominaram cenas de latas de lixo reciclável. No grupo de imagem, percebeu-se a falta que sentiram da música. No resultado do debate, tiveram maior percepção da marca e do conceito “Preparou, Bebeu, Faz”, que foi o que mais apareceu nos desenhos deste grupo. Já o grupo de videoclipe teve grande percepção da marca, seguida da reciclagem. Nos desenhos do grupo de videoclipe esteve mais presente a bandeira da Tang e o conceito “Preparou, Bebeu, Faz”. [CONCLUSÕES] Concluiu-se que a percepção que o público tem sobre as mensagens veiculadas no comercial se dá por meio do sincretismo da linguagem: as imagens trabalham a marca por meio das cenas das criança; o jingle cantado por elas cumpre o objetivo de transmitir a frase de efeito, o conceito institucional e a ideia da reciclagem.

BAIXAR / IMPRIMIR: Uso do jingle no caso Tang

Eleições presidências de 2010 segundo a revista Veja

Bolsista: Fernanda Cristina dos Santos
Orientador: Prof. Dr. Sérsi Bardari
Área do conhecimento: Ciências Humanas / Jornalismo e editoração

RESUMO

[INTRODUÇÃO] Segundo Marília Scalzo (2006:19), “o bom jornalismo é sempre tecnicamente bem feito – e o jornalismo tecnicamente bem feito tende a ser um jornalismo necessariamente ético. Para garantir ao leitor que informações veiculadas sejam objetivas e independentes de interesses comerciais, governamentais, partidários, religiosos”. Tendo em vista esse princípio, analisou-se a cobertura jornalística da revista Veja durante o período de campanha presidencial de 2010, em especial das candidaturas de Dilma Rousseff (PT) e de José Serra (PSDB), para identificar o posicionamento ideológico do veículo e os recursos de linguagem utilizados. [METODOLOGIA] Fez parte do estudo 31 exemplares, sendo 30 edições semanais, mais uma especial sobre a vitória, no período de 21 de abril a 10 de novembro de 2010, que foram analisadas com o auxílio teórico da Análise de Discurso. [RESULTADO/DISCUSSÃO] Observou-se que a revista Veja tende a se posicionar negativamente com relação ao Partido dos Trabalhadores (PT), aproveitando todas as oportunidades para expor erros e falhas do partido, da candidata e de seus aliados. A publicação desfavorece Dilma Rousseff por meio de textos opinativos negativos com relação as suas atitudes, projetos, campanha e passado político. [CONCLUSÃO] Foi observado que, na maior parte dos textos publicados nas 31 edições analisadas, a revista se posicionou contra a candidata do PT, Dilma Rousseff, publicando reportagens ideologicamente contrárias à candidata e ao partido. Conclui-se que a revista tem um posicionamento pró Serra, uma vez que cita o PSDB para glorificar suas ideias e seu candidato.

Veja relatório completo no link abaixo.
BAIXAR / IMPRIMIR: SANTOS, Fernanda Cristina dos – Eleições presidenciais 2010 segundo a revista Veja

O papel do jornalista investigativo versus ética profissional

Bolsista: Géssica Brandino Gonçalves (Curso: Jornalismo).
Orientador: Prof. Dr. Sérsi Bardari.
Área do Conhecimento: Ciências Humanas.

RESUMO

[INTRODUÇÃO] O olhar crítico sobre a realidade e a denúncia de irregularidades na garantia dos direitos da população só são possíveis mediante provas concretas, obtidas por meio do trabalho de investigação. A proposta desta pesquisa é abordar o papel desempenhado pelo jornalista como investigador na sociedade, seus métodos e limites, a partir do estudo de dois casos específicos: a morte do jornalista Tim Lopes e a reportagem do jornal Folha de S. Paulo “Dantas é alvo de outra investigação da PF”, da jornalista Andréa Michael, que antecipou dados da operação Satiagraha, abordando dilemas éticos com os quais o profissional se depara. [METODOLOGIA] Esta pesquisa caracteriza-se como estudo de caso. O estudo foi realizado por meio da atuação dos jornalistas Tim Lopes e Andréa Michael na cobertura dos fatos mencionados. [RESULTADOS/DISCUSSÃO] A maioria dos crimes contra jornalistas permanece sem solução. Tim Lopes era experiente, mas subestimou o risco que corria. A morte de Tim gerou o debate sobre métodos e medidas de segurança utilizadas pelo jornalista investigativo. Já nas altas esferas de poder, o repórter pode ser corrompido pela fonte, além de estar sob risco de interferência da empresa jornalística para a qual atua. A matéria “Dantas é alvo de outra investigação da PF”, embora exclusiva, foi publicada sem chamada na 1° página. A reportagem foi publicada após a venda da Brasil Telecom e prejudicou apenas a Polícia Federal. [CONCLUSÕES] O jornalismo investigativo, quando realizado dentro de bases éticas, contribui tanto para a sociedade como para a empresa, dando-lhes credibilidade, mas é preciso ressaltar que “a denúncia de um ato criminoso não justifica a prática criminosa” e que uma matéria não pode valer uma vida.

Veja relatório completo no link abaixo.
BAIXAR / IMPRIMIR: GONÇALVES, Géssica Brandino – O papel do jornalista investigativo versus ética profissional

A saída de Marina Silva do Ministério do Meio Ambiente: o que a imprensa investigou

Bolsista: Fernando Bocalari (Curso: Jornalismo).
Área de conhecimento: Ciências Humanas.
Orientador: Prof. Dr Sérsi Bardari.

RESUMO

[INTRODUÇÃO] O jornalismo investigativo demanda tempo e apuração minuciosa dos fatos. Com a diminuição dos jornalistas nas redações informatizadas e a velocidade das informações, cada vez se apura menos os fatos e também as fontes. Isso resulta diversas vezes em informações inverídicas, parciais e que, não raras vezes, servem apenas para divulgar interesses e opiniões de determinados grupos. [METODOLOGIA] Foram analisados os fatos sobre o pedido de demissão de Marina Silva publicados nas revistas Época, Isto É e Veja. Para isso, foram desenvolvidos alguns critérios de análise: efeito de objetividade do texto, origem das fontes, apuração das declarações, coerência das informações, contexto histórico, político e social. [RESULTADO/DISCUSSÃO] Cada revista priorizou lados diferentes do fatos, o que se pode notar já pelo título e também no decorrer do texto. A revista Época, com o título “De Ipanema para a floresta”, prioriza a posse do novo ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, que mora em Ipanema, no Rio de Janeiro. Desse modo, a revista ignora a conturbada saída de Marina. No título da Isto É – “Marina fica sem Ambiente” –, a revista prioriza a saída de Marina, além de construir um sentido ambíguo, por meio da utilização da palavra “ambiente”. Um dos significados sugeridos é meramente informativo, relacionado com a própria saída de Marina Silva do Ministério do Meio Ambiente. O segundo aproxima-se da ideia de animosidade do governo para com a ex-ministra. A revista Veja, com o título “O desafio da economia verde”, demonstra posicionamento desfavorável à Marina Silva e também a Carlos Minc. [CONCLUSÃO] A revista Isto É parece ser incoerente em suas conclusões. Apresenta diversas ideias favoráveis à Marina, e finaliza a reportagem com uma declaração de seis linhas cujo sentido se contrapõe ao que foi dito anteriormente. A revista Veja critica arduamente o governo, mas as ideias apresentadas ao longo da matéria e a conclusão da reportagem apresentam muitas afirmações sem justificativas plausíveis. Finalmente, a revista Época é a mais lógica e imparcial. Porém, deu foco muito maior à entrada do novo ministro do que à saída da ministra anterior. [AGRADECIMENTOS] Agradeço ao meu orientador, Sérsi Bardari, à Universidade de Mogi das Cruzes e a todos os profissionais de comunicação consultados para a realização desta pesquisa.

Veja relatório completo no link abaixo.
BAIXAR / IMPRIMIR: BOCALARI, Fernando – A saída de Marina Silva do Ministério do Meio Ambiente – o que a imprensa investigou

O mito da cosmogonia em Narradores de Javé

Bolsista curso de Jornalismo: Artur Gabriel Ferreira Guimarães.
Área de conhecimento: Ciências Humanas.
Orientador: Prof. Dr. Sérsi Bardari.

RESUMO

[INTRODUÇÃO] O filme Narradores de Javé, dirigido por Eliane Caffé, conta a história de um povoado que corre o risco ser inundado para que, no local, seja construída uma barragem. Os moradores se reúnem para discutir sobre a ameaça iminente e concordam que a única salvação seria a elaboração de um relatório científico, que elevasse o vilarejo à condição de patrimônio histórico. Segundo eles, Javé tinha algum valor devido à história de sua origem. Antônio Biá, único adulto alfabetizado do local, é incumbido da tarefa de ouvir as narrativas e produzir um “relatório científico”. Em meio aos diferentes depoimentos sobre a origem do local, desenrola-se a trama do filme, na qual não faltam referências aos mitos de “criação” regionais, nacionais e universais. [METODOLOGIA] Levantamos a descrição de alguns símbolos e referências bíblicas mobilizadas pelo enredo do filme, como por exemplos sino, São Jorge, água, Moisés, terra prometida, além de referências a mitos indígenas e universais. Para relatar o modo como o filme representa a história oral e como constrói sua significação, analisamos o conjunto dos elementos simbólicos encontrados na obra, com o auxílio de bibliografia apropriada. [RESUTADOS/DISCUSSÃO] O enredo destaca o prazer do povo em contar causos e mostra que a memória subjetiva seleciona o que deve ser lembrado e esquecido, ou seja, a história é construída por interesses pessoais. No filme, as personagens masculinas apontam Indalécio como o herói que guiou seu povo à terra prometida, já as personagens do sexo feminino dão igual importância à Maria Dina. [CONCLUSÃO] Um dos aspectos a ser ressaltado no filme é que o único capacitado a escrever possui bem mais talento do que caráter, o que pode gerar discussão no sentido de que, mesmo em documentos oficiais, o fato de um indivíduo estar por traz do registro deveria tornar igual o ceticismo em relação à oralidade e à escrita. Tanto a história oral quanto a baseada na escrita estão sujeitas à subjetividade e aos interesses típicos da natureza humana.

Veja relatório completo no link abaixo:
BAIXAR / IMPRIMIR: GUIMARÃES, Artur Gabriel Ferreira – O mito da cosmogonia em Narradores de Javé