A figura do narrador

Toda narrativa pressupõe um narrador. O narrador é quem conta a história. Entretanto, não se pode dizer que aquele que narra é o ser humano de carne e osso que escreve o texto. Isto porque a pessoa que escreve pode inventar um narrador ou, até mesmo, não inventar narrador nenhum, isto é, não identificar para o leitor quem é que está contando a história. Vejamos os trechos abaixo:

Texto 1

Maria e eu conversávamos muito a respeito dos problemas sociais do país. Como professor de Sociologia, via-me na obrigação de alertá-la sobre as questões de cidadania. Hoje, ela trabalha numa entidade que luta pelos direitos das crianças carentes.

Texto 2

Paulo e Maria conversavam muito a respeito dos problemas sociais do país. Como professor de Sociologia, ele via-se na obrigação de alertá-la sobre as questões de cidadania. Hoje, ela trabalha numa entidade que luta pelos direitos das crianças carentes.

No primeiro caso, existe no texto um “eu” que conta a história. Esse “eu” é o narrador, facilmente identificado como o professor de Sociologia. Mas quem, de fato, escreveu esse texto? Pode ter sido o próprio professor, mas pode muito bem ter sido outra pessoa que resolveu inventar esse personagem que narra. De todo modo, diz-se que, no texto 1, o narrador está explícito. Real ou inventado, ele pode ser reconhecido.

Já no texto 2, não se sabe quem conta a história. Não há um “eu” que se responsabiliza pelo que está sendo dito. Fala-se, nesse caso, que o narrador é implícito ou impessoal. Ele conta os fatos “de fora”, sem participar do mundo narrado.

Tomemos agora um terceiro exemplo:

Texto 3

Paulo e Maria conversavam muito a respeito dos problemas do país. Como professor de Sociologia, ele via-se na obrigação de alertá-la sobre as questões de cidadania. Hoje, ela trabalha numa entidade que luta pelos direitos das crianças carentes. Eu acho que Paulo acabou influenciando a escolha profissional de Maria.

Pergunta-se: quem diz “eu acho” no texto 3? Trata-se do narrador, que pode ou não querer se identificar. Embora ele esteja explícito no texto por meio do pronome “eu”, não é personagem da história, mas simplesmente uma testemunha, que julga e faz comentários.

Há romances em que o narrador encontra-se ora “fora” ora “dentro” da história, como personagem ou como testemunha. São técnicas que devem ser utilizadas com cuidado. Caso contrário, corre-se o risco de bagunçar a cabeça do leitor.

SALVAR / IMPRIMIR: A figura do narrador

Uma ideia sobre “A figura do narrador

  1. Paulo Gusmão

    Os anos de graduação são os mais memoráveis de minha vida.

    Até hoje lembro com um sorriso no rosto, principalmente a fase do tcc.

    Terminei a graduação ano passado e esse método de blocos me ajudou bastante. Por isso esse meu site fala sobre isso pra ajudar a galerinha que está em apuros com o tcc

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>